J.F. Mallmann

José Francisco Mallmann

é delegado aposentado da Polícia Federal, foi Superintendente da Polícia Federal nos Estados de RO, MS, RR e RS e ex-secretário da Segurança Pública do Rio Grande do Sul

 

 __________________________________________________________________

 02-04-2012

 

OAB É FAVORÁVEL À APROVAÇÃO DA PEC 37!

  

 

A manifestação do pensamento é livre no país, vedado seu anonimato, conforme garante o artigo 5ª, IV, da Constituição Federal-CF. Assim sendo, desde 2011 a sociedade brasileira assiste as partes interessadas, associações de classe, delegados, promotores, juízes, juristas, não juristas e mais uma infinidade de operadores e entendidos do direito, digladiando-se, uns pelo sim e outros pela não aprovação da Proposta de Emenda à Constituição nº 37 (PEC-37). Essa Proposta, em suma, apenas acrescenta o § 10, ao art. 144 da CF, definindo que cabe às Polícias Federal e Civis dos Estados e do Distrito Federal a apuração das infrações penais, ressalvadas as exceções. Este é o ponto central e nervoso de todo o reboliço! Mas por quê? Com a incumbencia das polícias na investigação criminal, de suas atribuições, bem definidas e, neste caso dizendo o óbvio, porque já explícito na atual CF, entende o Ministério Público-MP que é retirado de sua “competência” esse “direito”. Entretanto, cabe esclarecer, de uma vez por todas, que inexiste amparo legal ao MP para tal fim, tanto na Constituição Federal quanto em lei ordinária ou complementar. Portanto, não se retira o que não se tem! Mas, de onde então o MP baseia-se nesse proceder? Ora, como não encontraram nenhuma verbalização nesse sentido em nosso ordenamento jurídico, o Conselho Nacional do Ministério Público - CNMP editou a Resolução nº 13, de 02/10/2006, dando a atribuição ao MP para investigar em matéria criminal, ocasião em que o “titular da ação penal” intitulou-se também nesse “direito”, finalmente almejado. Como se vê, atuação flagrantemente ilegal! Veremos as razões.
Imagine num homicídio doloso o Ministério Público (MP) INVESTIGANDO, sem qualquer tipo de controle externo da atividade, isto é, sem que seja de outro órgão, em que não haja qualquer vinculação. Imagine essa mesma investigação criminal em que a renovação de prazos de conclusão, igualmente carecer de qualquer tipo de controle externo, de igual natureza apontada porque tal procedimento é realizado pelo mesmo “investigante”, bastando para isso um fundamento no feito, quantas vezes assim entender. Imagine o mesmo “investigante” agora DENUNCIANDO o que ele próprio concluiu. Imagine também o próprio denunciante, titular da ação penal, na sequencia, no Tribunal do Júri, atuando na ACUSAÇÃO! Refiro-me sempre quanto à Instituição MP. Essa atuação parece democrática? É legal? Moral? Mas, é assim mesmo que orienta a tal Resolução nº13! John Lennon jamais ‘imaginaria’ isso no Brasil!
Ora, a tríade da justiça penal brasileira, e democrática, é a Polícia investigando, o MP denunciando e a Justiça julgando. Inconcebível admitir o MP figurar em todas as etapas, no mínimo há um absurdo ferimento ao princípio do devido processo legal, conforme previsto na nossa Constituição Federal-CF, cujo regime é o Estado Democrático de Direito! Além do mais, o Código de Processo Penal-CPP, no art. 4º, estabelece que cabe à polícia judiciária a apuração das infrações penais e sua autoria, mediante INQUÉRITO POLICIAL! E, em seu parágrafo único, diz que a competência não exclui a das "autoridades administrativas" (no caso o MP), desde que LEI seja cometida a mesma função. Cabe apontar qual LEI estabelece tal prerrogativa ao MP?

 

Vejamos. A CF, art. 129, inciso VII, estabelece que cabe ao MP exercer o CONTROLE EXTERNO da atividade policial, na forma de Lei Complementar. E no inciso VIII: “REQUISITARdiligências investigatórias e a INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL, indicados os fundamentos jurídicos de suas manifestações processuais”. Já o seu art. 144, § 1º, I e § 4º, estabelece que, ressalvadas às exceções (e se diga, não incluindo o MP), incumbem às polícias a apuração das infrações penais!
A Lei Orgânica Nacional do Ministério-LOMIN, Lei nº 8.625, de 12/02/93, art. 10, IX, alínea “e”, define ao MP:“ACOMPANHAR inquérito policial ou diligência investigatória, devendo recair a escolha sobre o membro do Ministério Público com atribuição para, em tese, oficiar no feito, segundo as regras ordinárias de distribuição de serviços”. E no art. 26, IV, rege: “REQUISITAR diligências investigatórias e a instauração de INQUÉRITO POLICIAL e de inquérito policial militar, observado o disposto no art. 129, inciso VIII, da Constituição Federal, podendo acompanhá-los”.
A Lei Complementar (LC) nº 75, de 25/05/93, art. 3º, repete o mesmo dispositivo da CF. Já as alíneas "a, b, c, d, e”, estabelece os princípios (o respeito) que devem ser obedecidos para tal exercício. Destaco a alínea "a": "o respeito aos fundamentos do ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, aos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil,...". Ainda, a mesma LC, em seus artigos 9 e 10, determinam sobre o CONTROLE EXTERNO da atividade policial pelo Ministério Público da União - MPU. Há que se deixar bem claro que controlar a atividade policial, não significa substituí-la!
Entretanto, veio à famigerada Resolução nº 13/2006-CNMP, que “regulamenta” o art. 8º da LC nº 75/93 (?) e o art. 26 da Lei nº 8.625/93, baseada na qual o MP tem fundamentado a instauração de procedimentos investigatórios em área criminal, pelo mencionado em seu art. 2º: “ Em poder de quaisquer peças de informação, o membro do Ministério Público PODERÁ (grifo):” E no seu inciso II–“ instaurar procedimento investigatório criminal;”. Trata-se aqui de um instrumento totalmente desprovido de previsão no ordenamento jurídico e inconstitucional! Nessa forma de atuar, o MP age como “dono” da investigação, diferentemente do Inquérito Policial, onde há clara divisão de responsabilidades e atribuições, fundamental no equilíbrio de nosso sistema jurídico. Nessa peça, prevista no CPP, em seu art. 6º, estabelece que a autoridade policial, no âmbito do inquérito policial, DEVERÁ! A diferença.
Como aquele “Procedimento Investigatório Criminal - PIC”, verdadeiramente inventado naquela apontada insigne Resolução nº 13, trata-se de uma faculdade, e em função do PODERÀ, o MP procede de forma SELETIVA nesse mister. Ou seja, investiga o que melhor lhe aprouver! Prioriza casos de grande repercussão pública e relega a plano secundário sua atuação em casos de menor visibilidade. A propósito, intriga se há interesse do MP em investigar o homicídio, o crime mais grave: o bem maior protegido pelo ordenamento jurídico – a vida! Aliás, é o que PODERIAM contribuir para a sociedade no auxílio à Polícia Civil-PC, pois últimos índices apontam em torno de 8% dos homicídios esclarecidos no Brasil! Um baixíssimo nível que preocupa a ENASP- Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública, no Grupo Persecução Criminal, como Meta 2 – A Impunidade como Alvo -, visando, com isso, reduzir a sensação de impunidade. Documento, diga-se de passagem, assinado pelo próprio Procurador-Geral da República, como Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público-CNMP (?) ! Afora isso, também PODERIAM auxiliar a PC, investigando, ao menos que fosse, um quinto dos cerca de um milhão e duzentos mil Inquéritos Policiais hoje em andamento no Estado do Rio Grande do Sul! Por que não investigam veementemente isso? É simples a resposta: não há repercussão na mídia....
Mas, o que chama a atenção é o segundo “considerando” do preâmbulo para a edição da mencionada célebre Resolução nº 13, visto que se baseia também no art.4º, parágrafo único do CPP, uma vez que neste diz, claro como a luz solar, que a competência não exclui a das ‘autoridades administrativas’ (no caso MP, renovo), desde que LEI (!) cometa tal função, volto a repetir! Inacreditavelmente, a citada Resolução nº 13 do CNMP, ao ARREPIO DE TODOS OS DIPLOMAS LEGAIS QUE TRATAM A MATÉRIA, INCLUSIVE A CONSTITUIÇÃO, HOUVE POR BEM ACRESCENTAR ATRIBUIÇÃO AO MP QUE NÃO PREVISTA EM QUALQUER LEI, TANTO ORDINÁRIA QUANTO COMPLEMENTAR! Neste caso, o CNMP legislou por meio de Resolução! Isto é, por uma medida meramente administrativa, o CNMP ‘resolveu’ dizer que o Ministério Público PODE investigar em material criminal! Simplesinho assim...
Pelo exposto, penso estar bem claro que nenhum dispositivo oriundo do ‘PODER’ Legislativo, de onde emanam todas as leis nesta República, deu “poder” ao Ministério Público para proceder à investigação criminal! E não deu esse ‘poder’ para evitar a investigação criminal CONCORRENTE! Porém, é o que acontece hoje devido a Resolução nº 13, pois até o denominado sistema “Guardião” o MP utiliza em suas “investigações concorrentes” (paralelas) com as polícias judiciárias! O que o legislador constitucional e infraconstitucional bem definiu, e que vem ao encontro dos anseios da sociedade, é uma investigação criminal COLABORATIVA!
Contudo, chama mais a atenção ainda é o fato de que entre as edições da Lei nº 8.625/93 (LOMIN) e da LC nº 75/93, com a Resolução nº 13/2006, decorreram 13 (treze) anos! O que houve nesse interregno? O MP, como fiscal da lei, naquele período não PODIAM investigar? Só PUDERAM após 2006, com a criação do CNMP, em 2005? Sinceramente...
Chamam, falsamente, a PEC-37 de “PEC da Impunidade”, assim expressa o próprio site do CNMP, tentando incutir na população que, se tal projeto for aprovado pelo Congresso Nacional, impedindo o MP de proceder à investigação criminal, imperarão a impunidade no Brasil, mormente a corrupção, a improbidade administrativa, o crime organizado, o tráfico de drogas e tantos outros crimes midiáticos, logicamente. Então, deduz-se que, vindo a ser aprovada, o MP não irá cumprir com suas atribuições constitucionais e infraconstitucionais, ao tomar conhecimento de delitos daquela natureza, especialmente as de requisitar a instauração de inquérito policial e de diligencias investigatórias, bem como a tudo acompanhar? Deixará de exercer também o controle externo da atividade policial? Ficará silente, omisso? Lógico que não! Mas, por corporativismo, política e no intuito de se valer da manipulação, é passado à sociedade a sensação que sim!


Ora, o MP é parte no processo penal. Tem interesse direto. Como admitir que uma das partes possa presidir investigações criminais que ensejarão a Denúncia? “É uma afronta aos direitos e garantias fundamentais do homem, clara violação ao Princípio da Paridade das Armas”. Vide “O Ministério Público e o Poder de Investigar”, de Antonio de Holanda Cavalcante Neto (ambitojuridico.com.br). Portanto, o MP ao “reeditar” o Código de Processo Penal a seu modo, provocou a exigência da PEC 37.
Por ironia, devido ao “Procedimento Investigatório Criminal” – PIC foi necessária a aludida “Proposta de Emenda à Constituição” – PEC!
Por isso, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 37 pretende deixar ainda mais clara a ilegitimidade do MP em se investir na condição de polícia judiciária, salvo em situações excepcionais, conforme sufragado pelo ex-Ministro do STF Cezar Peluso, Relator do RE 593927, em sessão realizada em 21/06/2012, na qual sentencia: “o MP apenas pode realizar investigações criminais quando a investigação tiver por objeto fatos teoricamente criminosos praticados por membros ou servidores do próprio MP, por autoridades ou agentes policiais e, ainda, por terceiros, quando a autoridade policial, notificada sobre o caso, não tiver instaurado o devido inquérito policial”. Destarte, o MP não pode ter papel concorrente com a polícia judiciária!
Portanto, em 21.05.2013, simplesmente a Ordem dos Advogados do Brasil-OAB posicionou-se ao lado da LEI quando, por ampla maioria do seu Pleno do Conselho Federal, manteve o entendimento de que o MP não tem competência para conduzir investigação criminal e, por conseguinte, favorável à aprovação da PEC 37, verdadeiramente a PEC da LEGALIDADE!
Concluindo, convivi com o regime de exceção implantado no Brasil de 1964 a 1985. Hoje experimento a democracia. Posso afirmar que a democracia é o melhor dos regimes!

 

 

 

 

Contato: colunistas@tribunavirtual.net.br

 


Para comentar essas e outras Colunas, clique no título da coluna:



Notícias TribunaVirtual.net Veja+
 
Ring TribunaVirtual.net
  • Distribuidora Regional
  • Ultracar Auto Peças e Posto de Molas
  • Feijó Auto Peças
  • Mega Stamp
  • MotoBike & Cia
  • HP Materiais Elétricos
  • Textur Turismo
  • EAS Eletro Ar Sul
  • Porto Alegrense Festas
  • Pérgolas e Decks
  • Móveis Gil
  • Brechó Drika Kids
  • Central de Cadeiras
  • Rey dos Carimbos
  • Glacê Sorvetes
  • Doctor's D'oro
  • Uniquim
  • HR Molduras
  • Destaque 03
  • dest
  • Delta Elásticos e Fitas
  • Cia do CFTV
  • Armazém Doce
  • Empreiteira Fabi
  • Banco Têxtil
  • Porto Alegrense Festas
  • Sorvemix
  • dest
  • Cia Lúdica
  • Ferragem Thangente
  • Agência Tribuna Virtual
  • dest
Tribuna Virtual - Copyright © 2010 -Todos os direitos reservados